Estréia do 9° ano em nosso blog Arte da Manhã

Ao longo do 1° bimestre deste ano os alunos do 9° ano tiveram contato com as vanguardas artísticas que influenciaram o Modernismo brasileiro.

O termo vanguarda significa aquilo que está à frente, logo, vanguardistas são artistas que buscam inovar a arte e fazê-la avançar no tempo, ou mesmo adequá-la às mudanças de seu tempo.
Como exemplo temos o Movimento Antropofágo e toda a Semana de Arte Moderna de 1922, que foi uma reação de jovens artistas ao academicismo brasileiro.
Nossos alunos tiveram contato com o Cubismo, Futurismo e o Expressionismo.
Vamos ver o que foi produzido?

Cubismo

A primeira vanguarda artística estudada pelo alunos do 9° ano foi o Cubismo e para entrar no universo das características deste movimento artístico nada melhor que produzir algumas obras seguindo o mestre Pablo Picasso - principal nome do Cubismo.
Nossos alunos experimentaram trabalhar no site picassohead.com e produziram obras muito interessantes.
Vamos dar uma olhadinha:




Expressionismo


Movimento artístico que teve seu auge no final do século XIX e início do século XX.
Sem preocupação com a beleza ou com os padrões procura mostrar as impressões, denuncia, não raro, as mazelas sociais, tem uma extensão dramática e às vezes subjetiva.
O período em que se desenvolveu esse movimento artísticos foi muito conturbado. Cenário da primeira guerra mundial, da revolução russa, do período entre guerras. Todos esses eventos propiciaram um clima com características únicas e férteis para tal movimento.
Edvard Munch, pintor de "O Grito" foi um importante artista plástico norueguês. É considerado, por muitos estudiosos das artes plásticas, como um dos artistas que iniciaram o expressionismo na Alemanha.

A pintura "O Grito" é o melhor exemplo do estilo artístico denominado Expressionismo.









Com base nestas e em outras informações sobre o Expressionismo foi pedido que cada aluno, a partir do personagem central do quadro, criasse uma releitura do mesmo abordando denúncias sociais a partir de reportagem e matérias de jornais e revistas.

Vamos conferir o resultado?



Semana de Arte Moderna - 90 anos

Em fevereiro de 2012 fez 90 anos que aconteceu em São Paulo a Semana de Arte Moderna.
A inauguração do movimento modernista brasileiro, que aconteceu de 11 a 18 de fevereiro de 1922, foi lembrada em nosso colégio com o desenvolvimento de um trabalho que envolveu a fabricação de massinha de modelar caseira, o Abaporu e sua releitura.
A Semana de Arte Moderna representou uma verdadeira renovação de linguagem, na busca de experimentação e na liberdade criadora da ruptura com o passado em busca de uma arte genuinamente brasileira. O evento marcou época ao apresentar novas ideias e conceitos artísticos
Por este motivo pedi que os alunos fizessem uma releitura em 3D do Abaporu. Não queria uma simples cópia, já que nossos artistas modernistas lutaram tanto por mudanças, por que não pensar em como estaria o Abaporu hoje em dia?
Tem Abaporu skatista, Abaporu com piercing, Abaporu gótico, Abaporu envelhecido, Abaporu com dreads, Abaporu dançarino, Abaporu jogador de futebol e por aí vai...
Vamos ver no que resultou tudo isso?

















Ficou muito bom! O que vocês acharam? Deem a sua opinião.

Releitura da obra de arte O Grito

Para comemorarmos o Dia Internacional da Fotografia - 19 de agosto - foi proposto para os alunos do 3° ano do Curso Normal do ano de 2012 que fizessem a releitura de uma das obras mais famosas da História da Arte, o quadro O Grito de Edvard Munch, utilizando a fotografia como meio de expressão.
Os alunos também puderam conhecer o movimento Expressionista, o qual faz parte a obra de arte em questão, e aprenderam que o Expressionismo não apresentava preocupação com a beleza ou com os padrões procura mostrar as impressões, denuncia, não raro, as mazelas sociais, tem uma extensão dramática e às vezes subjetiva.
O período em que se desenvolveu esse movimento artístico foi muito conturbado. Cenário da primeira guerra mundial, da revolução russa, do período entre guerras. Todos esses eventos propiciaram um clima com características únicas e férteis para tal movimento.

Vamos ver a criatividade deles representando uma denúncia social através da releitura proposta?


 
   O Grito de Edvard Munch

Releituras:




Folclore

Para trabalharmos o Folclore com as turmas do último ano do curso normal de 2012 - 4° ano CN - foi proposto a releitura da obra de arte mais famosa do mestre Leonardo da Vinci, A Mona Lisa.
Cada grupo ficou com uma região do país e pesquisaram as características principais de cada uma para comporem as suas "Mona Lisas".
Para registrarem este momento foi utilizado a fotografia.
Vamos ver alguns dos trabalhos produzidos?
Abaixo temos a Mona Lisa da região Centro-Oeste e duas da região Nordeste:


Chegamos em 2012

Dia do Índio

Um provérbio indígena questiona se somente quando for cortada a última árvore, pescado o último peixe, poluído o último rio, é que as pessoas vão perceber que não podem comer dinheiro.

O pequeno trecho abaixo, da música de Jorge Ben Jor e Tim Maia, reflete bem o provérbio acima:

"Amantes da pureza e da natureza
Eles são de verdade incapazes
De maltratarem as fêmeas
Ou de poluir o rio, o céu e o mar
Protegendo o equilíbrio ecológico
Da terra, fauna e flora
Pois na sua história, o índio
É o exemplo mais puro
Mais perfeito, mais belo
Junto da harmonia da fraternidade
E da alegria,
Da alegria de viver
Da alegria de amar
Mas, no entanto agora
O seu canto de guerra
É um choro de uma raça inocente
Que já foi muito contente
Pois antigamente
Todo dia, toda hora, era dia de índio
Todo dia, toda hora, era dia de índio"

É, mas agora eles só tem o dia 19 de abril.

E na tentativa de prestar uma homenagem e mantê-los sempre presente na memória do povo brasileiro resolvi trabalhar com tribais indígenas aliado ao conceito de simetria através dos kirigamis.
Os alunos do curso normal produziram belos trabalhos e acho que foi uma maneira divertida de trabalhar com elementos da cultura indígena.
Vamos ver o que aconteceu?






Esculturas - 3° bimestre de 2011

Para reforçarmos ainda mais os conceitos do que é Bidimensional e do que é Tridimensional, trabalhamos com esculturas.
Trabalhamos com a passagem do plano (bidimensional) que ao receber alguns cortes e dobras se tornou um objeto tridimensional, uma escultura em papel.
Também trabalhamos com pequenos fios de arame que ao serem cobertos por tiras de papel eram facilmente manipulados de modo a se transformarem em esculturas muito interessantes.
Segue um pouquinho dos resultados que obtivemos:

Esculturas com corte e dobra de papel e escultura (cobra) com arame e papel



Esculturas apresentando como base uma caixinha em origami e estrutura com arame e papel

O que rolou no 2° bimestre de 2011

Festa Junina

Ao saber que os alunos da turma 4002 CN estavam programando uma festa junina para os alunos do turno da tarde de nosso colégio, procurei rapidamente unir o útil ao agradável para as aulas de Arte com esta turma.

Apresentando-lhes a série de obras “Bandeirinhas” e a história de seu autor, Alfredo Volpi, propus que toda a programação visual da festa fosse inspirada neste trabalho do artista.


Ficou curioso? Então conheça um pouquinho do artista e o resultado do trabalho desenvolvido pelos alunos. Espero que gostem.


Alfredo Volpi

Volpi nasceu em Lucca, na Itália, em 1896.

Foi um autodidata. Sua evolução foi natural, tendo chegado à abstração por caminhos próprios, trabalhando e dedicando-se a essa descoberta. Nunca acreditou em inspiração.

Nos anos 50, as bandeirinhas das festas juninas, de Mogi das Cruzes, integraram-se às suas fachadas. Posteriormente, destacou-as do seu contexto original. A partir da década de 60, suas pinturas são jogos formais: todos os temas são deixados de lado e as bandeirinhas passaram a ser signos, formas geométricas compondo ritmos coloridos e iluminados.

Volpi morreu aos 92 anos, em 1988, em São Paulo.


Algumas obras do artista:





Convites para a festa:


Pratos de papelão pintados com tinta guache. Pode ser utilizado para compor um mural ou para ser pendurado no teto, junto com as habituais bandeirinhas de festa junina.









Lanterninhas para pendurar ou decorar a mesa